segunda-feira, janeiro 07, 2008

"I've been making change for 35 years!"


Começa a tornar-se insuportável o apoio acrítico que Barack Obama tem recebido de alguns. Até este blog foi infiltrado por eles... Obama é bom rapaz. E sério etc. Mas eu só o conheço há três anos. Assim é fácil advogar change, change, change. Não é experiência que falta a Obama: é história. Desde que me interesso por política que observo Hillary, conheço-a, e é também por conhecer os seus defeitos que estou mortinho por lhe dar o meu voto.
A mensagem populista de Edwards/Obama quer-nos convencer que tem andado tudo a dormir há 8 anos e que Washington está podre e que eles é que vão arregaçar as mangas e dar a volta a isto - mas é desmentida por dois factos:

1. Obama/Edwards se/quando chegarem ao poder vão ter que funcionar exactamente no mesmo enquadramento constitucional/institucional (com as suas virtudes e seus defeitos) que Bush e seus amigos; é irresponsável e demagógico vender a ilusão de que os EUA se vão transformar no "paraíso da classe média" só porque eles são uns tipos cheios de boa vontade; change é uma palavra agradável, não é um programa político;
2. Hillary, nos últimos anos, tem sido incansável como senadora em áreas tão diversas como segurança e defesa, ou segurança social.

Barack é negro. Change. Parabéns. Hillary é mulher. Change. 1-1.
Hillary já anda nisto há muito tempo e não me parece que tenha perdido nem um bocadinho do élan dos anos 90.
E seria tremendamente injusto penalizá-la por se dedicar à causa pública há mais de trinta anos.
A experiência não é tudo. Mas apoiar change só porque há uma cara nova nos ecrãs de televisão é irresponsável.

P.S: Adoro o Obama, hã, não se zanguem, mas estou farto da adulação pop de que é alvo. Vejam este vídeo que é bem elucidativo.

2 comentários:

SAM disse...

O incrível destas eleições é que quase tudo será change! Ou, se assume como tal. São únicos à sua maneira, uns mais que outros. 1-1 é para qualquer duo.

Resta saber, se, mais do que serem únicos são motivados pela coisa certa ou não, e se perfilam a capacidade necessária ou não. Porque marcar pela diferença, é pouco provável que não se marque com essas eleições.

max disse...

"A experiência não é tudo. Mas apoiar change só porque há uma cara nova nos ecrãs de televisão é irresponsável."

Ora nem mais. A Esquerda blogoesférica rendeu-se a Obama como tantos invocaram, aqui há uns anos, que Clinton era o "change" necessário...