terça-feira, fevereiro 15, 2005

César e Deus (Mateus 22,17)

Não me querendo alongar muito mais sobre o falecimento de Lúcia de Jesus, e sendo insuspeito para tanto, apenas desejo realçar a lucidez de algumas vozes no seio da Igreja que denunciaram o aproveitamento político da situação e garantiram que o tiro do PP e PSD lhes saiu pela culatra - Januário Torgal Ferreira e Manuel Martins.

Penso ainda a respeito desta matéria que não deve haver lugar a luto nacional, discordando respeitosamente do outro condómino deste blog. Não obstante a representatividade de determinada confissão e o relevo de determinada individualidade ligada a essa confissão, o motivo principalmente determinante para decretar o luto nacional neste caso foi de natureza estritamente religosa. Trata-se, pois, de um juízo de identificação com um determinado credo, de todo incompatível com a separação entre o Estado e as Confissões, ainda mais censurável na medida em que procura retirar divendos políticos através da associação de determinadas formações partidárias ao acto.

Mais grave se afigura a medida se atendermos ao facto de a República Portuguesa, ou pelo menos os seus actuais governantes, tenderem a esquecer os seus cidadãos mais ilustres. Em Julho passado o País perdeu uma das suas principais referências democráticas e humanistas. Primeira mulher a chefiar um executivo em Portugal, primeira candidata à Presidência da República, uma das primeiras Eurodeputadas portuguesas, embaixadora de Portugal na UNESCO, defensora ímpar do papel das mulheres na vida pública e destacada activista contra a exclusão social, Maria de Lourdes Pintassilgo dedicou a sua vida ao serviço da res publica. A República, por seu turno, não dedicou a Maria de Lourdes Pintasilgo o reconhecimento que lhe era devido, ficando por decretar o luto nacional na ocasião da sua morte.

A omissão de Julho e o luto de Fevereiro apontam ainda uma outra realidade negligenciada, na medida em que revelam subconscientemente qual a imagem da mulher que é elevada à condição de símbolo e exemplo na sociedade portuguesa.

Sem comentários: